Os desigrejados



Hoje recebi mais uma pesquisa falando sobre o crescente número de evangélicos sem vínculos com igreja. Já tinha visto a pesquisa do pessoal do Genizah (muito boa) e agora foi na Folha.

Há algum tempo eu estou pensando em escrever sobre esse tema, mas ainda não tinha entendido que era a hora. Acredito que agora seja a hora, por isso vou compartilhar um pouco do que tenho entendido sobre isso.

Para alguns eu sou um desigrejado. Confesso que a principio gostei do termo, porque estou cansado dessa institucionalização da igreja de Cristo, que cria estruturas denominacionais com o fim de manter a própria estrutura e não a igreja. Mas não acredito que eu seja um desigrejado no sentido epistemológico da palavra “sem igreja”, pelo contrário, agora, acredito que estou mais igrejado do que nunca.

Eu fui pastor batista por 4 anos até que entendi do Senhor que deveria caminhar de uma forma mais simples, com menos burocracia e menos institucionalizada. Mas isso foi o que Deus falou para mim, tenho muitos amigos, e o meu próprio pai, que ainda são pastores batistas, homens de Deus, que não entendem dessa forma. Acredito que Deus chama cada um para uma obra especifica.

Desde então tenho caminhado com alguns irmãos de uma forma mais simples, reunindo em casas, mas não deixando de amar todos os nossos outros irmãos espalhados pela terra que reúnem de forma diferente. Afinal é só uma forma.

Para alguns, pelo fato de não termos nome, ou de não estarmos ligados a uma denominação, somos desigrejados. Desinstitucionalizados sim, desigrejados jamais, desviados nunca. Somos a igreja de Cristo “juntamente com todos os que, em toda parte, invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso.” (1Co 1.2)

O fato de entendermos que somos uma igreja só não significa que temos que reunir no mesmo lugar. Creio que Deus dá dons a cada um para uma obra especifica. Sei que a igreja de Cristo da qual faço parte não vai alcançar alguns tipos de pessoas, para isso existem outros irmãos com formas diferentes para alcançar aqueles que nós não conseguimos alcançar. Mas somos um só corpo, o corpo de Cristo do qual ele é o cabeça.

Essa semana li um texto, muito bem escrito pelo Dr. Augustus Nicodemos (aqui) falando sobre esse assunto. Alguns pontos, descritos por ele, sobre o pensamento daqueles que se denominam desigrejados estão listados abaixo.

1. Cristo não deixou qualquer forma de igreja organizada e institucional.

2. Já nos primeiros séculos os cristãos se afastaram dos ensinos de Jesus, organizando-se como uma instituição, a Igreja, criando estruturas, inventando ofícios para substituir os carismas, elaborando hierarquias para proteger e defender a própria instituição, e de tal maneira se organizaram que acabaram deixando Deus de fora. Com a influência da filosofia grega na teologia e a oficialização do cristianismo por Constantino, a igreja corrompeu-se completamente.

3. Apesar da Reforma ter se levantado contra esta corrupção, os protestantes e evangélicos acabaram caindo nos mesmíssimos erros, ao criarem denominações organizadas, sistemas interligados de hierarquia e processos de manutenção do sistema, como a disciplina e a exclusão dos dissidentes, e ao elaborarem confissões de fé, catecismos e declarações de fé, que engessaram a mensagem de Jesus e impediram o livre pensamento teológico.

4. A igreja verdadeira não tem templos, cultos regulares aos domingos, tesouraria, hierarquia, ofícios, ofertas, dízimos, clero oficial, confissões de fé, rol de membros, propriedades, escolas, seminários.

5. De acordo com Jesus, onde estiverem dois ou três que crêem nele, ali está a igreja, pois Cristo está com eles, conforme prometeu em Mateus 18.

6. A igreja, como organização humana, tem falhado e caído em muitos erros, pecados e escândalos, e prestado um desserviço ao Evangelho. Precisamos sair dela para podermos encontrar a Deus.

Devo ser sincero e dizer que acredito em quase todos esses pontos. Mas não aceito a pessoa que diz não precisar da igreja. Nós somos a igreja e precisamos uns dos outros para edificação do corpo (Ef 4). Não devemos deixar de reunirmos como igreja (Hb 10.25). Alguns usam a desculpa dos erros que a igreja institucional comete para não ter compromisso com o corpo e isso é rebeldia e não igreja de Cristo.

Acredito que a grande confusão está no entendimento do que é igreja. Não sou desigrejado porque sou igreja, mas não sou institucionalizado porque sei que posso ser igreja em qualquer lugar, e não somente em um local específico (apesar de não ter nada errado em ter um lugar). Posso ser igreja em qualquer dia, e não somente aos domingos (apesar de não ter nada errado em se reunir no domingo), posso ser igreja sem precisar de dinheiro, posso ser igreja sem precisar de rol de membros, posso ser igreja sem precisar de seminário (apesar de ter estudado em um e ser muito abençoado lá).

Todas essas coisas são boas, mas não são igreja. Igreja são os salvos pela graça, reunidos ao redor do nosso Senhor e mestre Jesus, seguindo os seus passos e amando a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos. Simples assim!

Não podemos usar essas coisas como muleta. Se não existir nenhuma dessas coisas ainda serei igreja? Cristo é suficiente para mim? Ou eu preciso de um local fixo, de um clero, e etc. Podemos ter as coisas, a diferença é como as usaremos.

A igreja não existe por si só, o corpo não pode viver sem a cabeça, que é Cristo. Antes de ser membro de uma instituição a pessoa precisa ser membro da igreja, e quando isso ocorre? No momento de sua conversão. A pessoa pode não ter o nome em um rol de membros e ser membro da igreja de Cristo, como pode ter o nome no rol de membros e não ser membro da igreja de Cristo.

Que sempre nos lembremos que a videira é Jesus e não a igreja. Precisamos estar alicerçados na videira, e em estando na videira estaremos, consequentemente, alicerçados na igreja de Cristo.

Ainda assim acredito, agora mais do que nunca, na igreja de Cristo, pois ela é a noiva do Senhor. Não essa caricatura institucionalizada, mas a verdadeira e gloriosa igreja de Cristo, pois esse é o plano de Deus, a forma que deixou para que vivêssemos aqui, cumprindo a sua missão enquanto aguardamos a sua volta.

Não sou desigrejado, mas não vou mais a igreja. Como? É simples, eu sou a igreja.

Por seu Reino!

Rodrigo Rezende

11 Comentarios

  1. Anônimo says:

    Não concordo com o ponto 4 no que diz: "A igreja verdadeira não tem templos, cultos regulares aos domingos, ofertas, dízimos".
    Deus é organizado e não vejo problema alguma em ver pessoas se reunindo de forma organizada e em dias especificos da semana não é isso que determina a igreja verdadeira, nem o templo, se algo cresce precisa de um lugar maior e porque não um templo? Dar ofertas e dizimos é algo Biblico, por mais que haja discussão sobre o dizimo mas se eu entrego os mesmos por fé e sou honrado por isso por que essa não é a verdadeira igreja?
    Alias, quem somos nós para dizer quais são as verdadeiras igrejas, são sempre aquelas que frequentamos hoje não?
    A maioria das pessoas deixam de frequentar denominações por rebeldia, por não quererem se submeter a uma autoridade pastoral e procuram reunir-se em casa com o pretexto de imitar a igreja primitiva.
    Conheço denominações abençoadas muito mais abençoada que reuniões caseiras, e também conheço o inverso.
    A formula não esta no reunir em casa, mas sim no coração e na vontade de imitar a Cristo.
    Para ser sincero cansei desse tipo de argumento contra as "denominações", Jesus é o cabeça da igreja e se vc bate no corpo da igreja esta acertando tamb ao cabeça Cristo, a cabeça faz parte do corpo, esse tipo de discurso tem fabricado um monte de crente rebelde e sem frutos que por qualquer coisa saem da igreja e ficam perambulando de galho em galho.
    Seja benção onde vc estiver, respeite os que estão dando frutos em outros locais, tem muita denominação abençoada por ai, não é colocar o nome numa igreja, numa casa ou numa reunião que vai fazer do local uma não igreja.

  2. Querido(a) anônimo, você tem total direito de discordar, mas acredito que você deveria ler o texto de novo, pois acredito que você não entendeu o que foi escrito. Em lugar nenhum do texto eu disse que sou contra a igreja que se reune num local especifico e em uma data especifica, eu falei que isso é só forma e cada um tem uma. Não disse que quem está vinculado a uma denominação não é verdadeira igreja e nem quem reune em casa é verdadeira igreja, como disse antes, isso é forma, e como você disse quem somos nós para dizer quem é e quem não é igreja. Em momento nenhuma bati no corpo, critiquei o excesso de instituição, que é bem diferente do corpo. Não deixe que outras coisas atrapalhem o seu discernimento e sua interpretação do texto. Continue comentando a discussão é sadia e nos ajuda a entender melhor o assunto, mas dá próxima vez se identifique.

  3. Anônimo says:

    Irmão, tenho todo respeito pela sua pessoa, estou apenas usando o texto por ti transcrito pra expressar o meu descontentamento pela sua opnião pois a afirmação: "A igreja verdadeira não tem templos, cultos regulares aos domingos" é muito séria, isso é se sentar na cadeira de Deus para decidir qual a igreja verdadeira.
    Não tenho conta aqui no blog por isso não coloquei meu nome, mas ajudaria em alguma coisa se eu disesse que é Lucas?

  4. Lucas, deixa eu te explicar uma coisa. Se você leu bem o texto, vai ver que acima dessa afirmação que te incomodou, tem uma referência dizendo que todos esses pontos descritos estão no texto original do Dr Augustus Nicodemos, (por isso eles estão em itálico) esses pontos foram descritos por ele exemplificando como pensam aqueles que se denominam desigrejados. Como você viu no texto eu deixei bem claro que não sou desigrejado, e que eu não estou definindo quem é e quem não é verdadeira igreja. Mais uma vez vou dizer esse é um ponto que os desigrejados defendem, em lugar nenhum eu disse que concordo com isso. Eu disse que concordo com a maioria dos pontos. Não tenho problema nenhum em nos encontrarmos regularmente, pelo contrário a Bíblia recomenda isso, e não tenho problema nenhum que seja no domingo ou em qualquer outro dia. E como disse no outro comentário, quem sou eu pra dizer quem é e quem não é verdadeira igreja. Obrigado pelo seu comentário.

  5. Anônimo says:

    RODRIGO, A MUITO GRACAS A DEUS, ENTENDEMOS QUE A VIDEIRA DESCRITA NA BIBLIA, E' JESUS E NAO A "igreja institucionalizada". NADA CONTRA A INSTITUICAO, DESDE QUE A MESMA EXISTA, PARA SERVIR AO IRMAO E NAO APENAS O INVERSO, COMO DE COSTUME ACONTECE. EXEMPLO DISSO OCORREU A ALGUM TEMPO ATRAS, NA DENOMINACAO A QUAL EU E MINHA FAMILIA FAZIAMOS PARTE: UMA IRMANZINHA BASTANTE NECESSITADA, SEM CONDICOES DE PAGAR POR UM FRETE, SOLICITOU AO PASTOR, O CARRO DA DITA "IGREJA", PARA QUE ELA PUDESSE TRANSPORTAR, AS FLORES QUE COMPRARIA PARA ENFEITAR SEU CASAMENTO. PRA NOSSA SURPRESA E ESPANTO,O UNGIDO PASTOR SE NEGOU A EMPRESTAR, ALEGANDO QUE O VEICULO ESTAVA ALI, APENAS PARA USO EXCLUSIVO DA igreja....ORA POIS, QUEM DE FATO E' AFINAL DE CONTAS, A IGREJA, CORPO DE CRISTO AQUI NESTA TERRA????? AS PAREDES DAQUELE LUGAR????? OS BANCOS???? O PUPITO????
    SEGUNDO JESUS OS MANDAMENTOS NAO SAO MUITOS, MAS UM SO...AMOR AO PROXIMO. UM ABRACO.

  6. Prezado Rodrigo, tenho refletido muito sobre o que vc. abordou no texto. Estou convencido de que a institucionalização engessou a igreja e a tornou algo diferente do que Jesus quer. Estou congregado em uma igreja batista, mas estamos procurando quebrar tradições que são contrárias ao ensino bíblico. Contudo, sei que a igreja está espalhada em vários lugares, se reunindo de várias maneiras. Mas, desejo compreender a igreja da maneira como retratada na Bíblia. Um irmão leu "Vinho novo, odres novos", de Howard Snyder e o achou estimulante na perspectiva aqui tratada. Se desejar visitar o blog que participo: www.igrejabatistadoverbo.blogspot.com. Um abraço.

  7. Anônimo says:

    Rodrigo,concordo com vc em todos os pontos,é difícil encontrar um cristão com a mente aberta assim.O mundo seria muito melhor se os homens não ficassem tão presos aos sistemas e a organizações que ele mesmo cria,ao invés de fazer a vontade de Deus na sua essência,que é o amor ao próximo.A igreja verdadeira são as pessoas,não instituições.

  8. "Não olhei os vossos pecados, mas a fé que anima a vossa igreja"
    Este trecho de uma oração católica, sempre me chamou atenção para o que deveria ser igreja. E realmente, cada um de nós é um templo e igreja é templo. Nasci católico, por meus pais, morrerei católico. Mas não creio na instituição, nem nos dogmas. Creio no Deus, soberano e justo. E para mostrar que é justo nos dá a liberdade de agirmos como bem entedemos, e está sempre disponível quando precisamos, mesmo quando somos ingratos e lhe viramos o rosto. Mas não estamos dispostos a aceitar as consequencias de nossos atos, aí achamos que Deus é injusto, que quer nos punir. Nada disto. Viver de forma simples, amar o próximo, ajudar a quem precise. Estar atendo a hora que for chamado e saber aceitar os designios de Deus.
    Parabéns pelo blog, achei por acaso.
    Eduardo de Carvalho
    @eduardo_runner.com.br

  9. Anônimo says:

    Parabens Rodrigo vc acabou de sair da Babilônia eclesiástica, ouvindo assim: Sai dela povo meu para que não sejais participantes de suas iniquidades,e nem incorra nas suas pragas. confira:http://www.bibliaonline.com.br/acf/ap/18

  10. Texto maravilhoso, meu nome é William Guedes, chega de religião.

  11. Mano meu nome é Luiz, só acho uma coisa, estar em um lugar que tudo converge pra o antroposentrismo, conhecendo a verdade, é compactuar com erro. É o mesmo que estar em uma avião servido cafezinho, em quanto um cara tá jogando uma bonda que vai matar 140 mil pessoas, mais meu trabalho e servi cafezinho, não tenho nada a ver com isso. Impocrezia. Pura

Comente

Você pode e deve comentar, somente atente para as seguintes observações:
1. Reservo o direito de não públicar criticas negativas de "anônimos". Quer criticar e ter a sua opinião publicada? Identifique-se; 2. Discordar não é problema, é solução, pois leva ao aprendizado! Contudo, com educação. Sem palavrão! 3. Ofereça o seu ponto de vista, contudo, não aceitarei esta doutrina barata do “não toque no ungido” do Senhor ou "Não julgueis para que não sejais julgados"